Durante evento, Apta fará a exposição de suas tecnologias para o setor produtivo

 

As pesquisas com controle biológico desenvolvidas pelo Instituto Biológico (IB-APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, serão apresentadas durante debate com o diretor-geral do IB, Antonio Batista Filho, na EsalqShow, em 11 de outubro, às 14h, em Piracicaba. A EsalqShow é promovida pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP) e será realizada de 10 a 11 de outubro. No Espaço Inovar Esalq & Cia, a Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA) apresentará nos dois dias de evento suas tecnologias para o setor de produção.

A EsalqShow será uma feira dedicada à inovação e ao empreendedorismo na agricultura e nos setores associados. A feira será estruturada em três pilares: Vitrine Esalq; Espaço Inovar Esalq & Cia e AgTech Valley Summit, em que as principais lideranças envolvidas com o agronegócio estarão presentes para palestras, debates e outras atividades a fim de promover iniciativas que possam agilizar benefícios para a sociedade, levando ao público as últimas tendências no setor, novas ideias, produtos e serviços.

O diretor-geral do IB debaterá durante o AgTec Valley Summit, que terá como tema as soluções biológicas, apresentando na ocasião o Programa de Inovação e Transferência em Controle Biológico (Probio) lançado pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento em 2017 – que busca integrar todas as áreas de pesquisa do Instituto em controle biológico e disponibilizar ao setor de produção suas tecnologias e serviços.

O IB é referência brasileira em controle biológico e já atendeu 46 biofábricas para a introdução de agentes entomopatogênicos em oito Estados brasileiros e no exterior. “Os trabalhos buscam a geração de conhecimento em controle biológico, desenvolvimento de tecnologias e inovações e oferecimento de serviços para o setor de biocontroladores. O controle biológico é uma área que cresce 20% ao ano e é fundamental para a sustentabilidade da agricultura”, afirma Batista Filho.

As pesquisas do IB envolvem o uso do controle biológico para controle do bicudo e da cigarrinha em cana-de-açúcar, mosca-branca na soja, ácaro-rajado em morangos e plantas ornamentais, broca na bananeira e percevejo de renda da seringueira.

Além das pesquisas do IB, Batista Filho debaterá sobre o cenário para os bioinseticidas microbianos e os desafios para o setor, com José Roberto Postali Parra, docente da Esalq/USP, Marcelo Zanchini, diretor de marketing Brasil da Arysta LifeScience, e Gustavo Ranzani Herrmann, diretor comercial da Koppert Brasil.

Exposição

No espaço Espaço Inovar Esalq & Cia, a APTA apresentará no estande da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo suas tecnologias para o setor de produção, como o melhoramento genético de plantas com foco em agregação de valor e produtos mais nutritivos, melhoramento genético e bem-estar animal, biotecnologia e controle biológico, probióticos com foco na saudabilidade, informações estratégicas para fomentar políticas públicas e gestão do agronegócio e embalagens e novos produtos.

De acordo com Orlando Melo de Castro, coordenador da APTA, a Agência e seus seis institutos de pesquisa agropecuária vivem um novo momento para desenvolver parcerias com o setor privado – resultado de nova legislação federal e estadual, que permite maior interação entre os institutos públicos e o setor produtivo.

“Desde 2016 estruturamos a Rede NIT-APTA, que congrega os Núcleos de Inovação Tecnológica do Instituto Agronômico, Instituto Biológico, Instituto de Economia Agrícola, Instituto de Pesca, Instituto de Tecnologia de Alimentos e Instituto de Zootecnia”, explica Castro.

Para o secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Arnaldo Jardim, o estabelecimento dos Núcleos de Inovação e as novas legislações são fundamentais para incentivar a inovação tecnológica. “A inovação é a chave para uma economia sustentável e a interação entre os institutos de pesquisa e a iniciativa privada precisa de normas claras e fáceis para que novos produtos e processam sejam adotados pelo setor produtivo, algo que está alinhado com as recomendações do governador Geraldo Alckmin”, afirma.

 

Fote: Portal SEGS, Out/2017 (http://www.segs.com.br)
Para acessar a notícia clique aqui